terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

  • “Emparedado”, eu vi!

    Eu vi, com os próprios olhos, o simbolismo de Cruz e Sousa, na noite de quinta, 21 de novembro de 2007, em Joinville. Nossa! O que foi aquilo? Eu fui! Eu vi!
    Quando a gente sai do teatro com uma imagem na cabeça e ela teima em reaparecer o tempo todo no dia seguinte, é porque o espetáculo foi bom! E, mais do que cognitiva, essa imagem virou emoção. Por isso, escrevo. Fiquei emparedado, entre a emoção e a vontade de contar a outros o que eu vi!
    Basta conhecer um pouco mais a obra a vida de Cruz e Sousa e, provavelmente, vá nascer uma certa devoção pelo trabalho dele, e para quem mora em Santa Catarina, há ainda um relação quase que “paroquial”, pois o poeta nasceu aqui! Acho que Cruz e Sousa, o maior poeta simbolista brasileiro, tem uma poesia marcante porque ela nos leva, além do som, às imagens. Lembro bem de “Broquéis”, livro dele de onde colhi alguns poemas e com mais profundidade, tive a oportunidade de decupá-los nas aulas de Teoria da Literatura há algum tempo. Lembro de como foi marcante ver o encadeamento fascinante das palavras, dos fonemas e as imagens que iam se formando mentalmente enquanto lia os poemas. Ainda hoje, vejo as “... macabras piruetas d'aço...” daquele palhaço em “Acrobata da Dor”, de Broqueis. E eu não conhecia “Emparedado”! E fiz questão de não ler nada a respeito – mesmo dando uma coceirinha no dedo pra digitar alguma biblioteca no google -, porque, afinal, eu queria ir ao teatro para ver um texto de Cruz e Sousa no teatro, estava curioso e empolgado com isso! Claro, porque por mais que se admire um clássico da literatura, qualquer mortal que ande por essas enlouquecidas paragens nesse começo dos 2000 se pergunta: putz, como é que vai ser? E foi! Foi surpreendente. O teatro estava lotado! Foi num teatro de bolso, que se chama Galpão de Teatro e fica nas antigas instalações de uma cervejaria da Antarctica e que se chama Cidadela Cultural, em Joinville – Santa Catarina. Um espaço alternativo, ainda com cadeiras de plástico (mas com almofadinhas!), singelo, mas bem montado, e a gente adora, porque é o nosso espaço de aconchego cultural!
    Quando eu vi no palco uma pequena plataforma branca de pouco mais de 1 metro altura e de 1 metro quadrado de largura, com uma escrivaninha alta e estreita na lateral, eu fiquei pensando: pronto! Vai ter sobe e desce! Logo atrás desse móvel branco tinham umas tiras enormes de pano branco que vinham do teto, bem alto! E com tiras de tamanhos diferentes, de um tecido bonito! Numa das laterais do palco, perto do proscênio, uns baús com instrumentos de percussão, pois a trilha é executada ao vivo. E começou! Aquela pequena plataforma branca era na verdade, o palco. E foi ali, só ali em cima, nessa pequena plataforma branca, que eu vi o tempo todo, Cruz e Sousa. E vi gigante!!! Iluminado em branco, em várias cores, vários ritmos, vários instrumentos musicais, em movimento e expressão!
    Já não me importava mais o texto escrito e na oralidade. Tinham muitos outros textos ali, viscerais e em outras linguagens. E, justamente, essa sobreposição, essa articulação textual, cênica, fez com que cada momento fosse de intensa percepção. Aquele pano branco hora servindo de suporte, hora sendo simplesmente branco, o ator em si, a obra se refazendo em múltiplas, várias narrativas em uma só, em tempos distintos e ao mesmo tempo. A marcação da trilha, a expressão facial do ator, a expressão corporal do ator, a voz do ator. Cada coisa no seu momento, com sua intensidade e se entrelaçando, com uma sutileza e generosidade tão instigantes, que até a dor assumiu a sua mais leve nuance e passou pelo palco como algo que embeleza e não agride.
    Robson Benta não declama um poema, não é o narrador de uma história, apenas. O cenário, a música, a iluminação, não foram coadjuvantes à disposição da atuação. Foi tudo uma coisa só! O que vi, já não era mais o ator interpretando um personagem, até porque, Cruz e Sousa existiu de verdade, nessa noite de quinta-feira, 21 de novembro de 2007, em Joinville.
    Sem mais pedras, nem parede! E eu vi!

    [Pierre Porto S., redator]

    “Emparedado”, de Cruz e Sousa, narra a saga de um homem e poeta que se vê emparedado pelo preconceito de ser nego e artista. A peça, montada pela Cia. Joinvilense de Teatro, é projeto contemplado no Edital de Apoio às Artes 2007 da Fundação Cultural de Joinville. A direção geral e produção são de Caroline Liza Schultz, o ator/intérprete é Robson Benta, a dramaturgia e direção de cena são de Borges de Garuva e a música de Guilhermo Santiago e Borges de Garuva, cenotécnica de Marcelo de Mello e técnica de Robson Luis e Cristiano Nagel. O espetáculo estreou em Joinville, Santa Catarina, dias 21 e 22 de novembro de 2007.
    A montagem marcou ainda o reencontro entre o ator Robson Benta, o diretor e dramaturgo Borges de Garuva e o músico-instrumentista Guilhermo Santiago, que juntos, também marcaram época no Teatro de Joinville na década de 90 e que celebraram a oportunidade de um novo projeto juntos, através da Cia. Joinvilense de Teatro.

Nenhum comentário: